Atividades Regulares

 Domingo

8h – Reunião de Oração

9h – E. B. D (Escola Bíblica Dominical)

10h30 – Culto Matinal

19h – Culto Noturno

 Terça-feira

19h30 – Culto de Oração

 Quinta-feira

19h30 – Estudos Bíblicos

 Sábados ímpares

19h30 – Culto da Juventude

 Sábados pares

20h – Encontro dos casais

Login

Quem está Online

Temos 60 visitantes e Nenhum membro online

A Bênção do perdão no relacionamento da família

I Coríntios 13.5

“Quem ama não é grosseiro; nem egoísta; não fica irritado, nem guarda mágoas.” (NTLH)

 

INTRODUÇÃO:

     Em seu livro “Doenças da Família Moderna”, o Pr. Piragine Jr. afirma que a falta de perdão provoca separação e gera uma angústia que permanece no coração. É uma doença perigosa, que precisa de tratamento urgente porque quando não mata, faz com que a vida seja terrivelmente dolorosa.

 

     A falta de perdão provoca constrangimentos e situações complicadas ao organizar uma celebração em família, o clima fica tenso e constrangedor. Se convidar o tio fulano não pode chamar o tio beltrano porque eles não se falam há anos.

     Normalmente o que se faz é convidar mesmo os dois, mas eles mal se olham. Ficam distantes, se possível cada um em uma sala diferente.

     O problema que esse mal só tende a crescer, pois a tendência é os demais familiares tomarem o partido de um ou outro.

     A família, que devia ser o lugar da comunhão e do apoio mútuo torna-se um campo de combate.

     Parece que as pessoas envolvidas estão esperando a primeira oportunidade para desenterrar os erros de cada um.

     Os erros, as palavras mal escolhidas, as frustrações do passado, está tudo guardado, está tudo na ponta da língua.

     As pessoas próximas são as maiores vítimas quando a mágoa, o ressentimento, a amargura toma o lugar do perdão.

     Deus conhece essa situação e por isso deixou um aviso para nós.

I Cor. 13.5

“Quem ama não é grosseiro nem egoísta; não fica irritado, nem guarda mágoas.”

     . Há uma forte razão para esse aviso de Deus. É que a mágoa mata o amor.

     Ela não é restrita ao relacionamento marido e mulher, mas também entre pais e filhos, entre irmãos, entre famílias amigas, entre os líderes de uma igreja.

     A mágoa ou amargura tem razões fortes para ficarem guardadas no coração.

     . As vezes são razões do passado

     . Você foi ferido (a) profundamente

     . As decepções do passado geram a falta de perdão no presente

          . Pessoas que foram abandonadas

          . Pessoas que foram decepcionadas

          . Pessoas que foram ludibriadas na sua fé

          . Pessoas que foram enganadas na sua sinceridade.

     Podem guardar dentro da alma essa situação gerando dor no coração e que machuca a alma até hoje.

     Quando esses sentimentos alimentam o nosso coração, o nosso pensamento, a nossa alma perdemos a bênção do presente e do futuro.

     O que devemos compreender e ter como ponto de partida é que os relacionamentos não estão isentos de falhas. As pessoas podem falhar. E falharão.

     Quando isso ocorre de forma rotineira, abrem feridas profundas.

     Se guardamos como tesouro de estimação, essas falhas nos tornarão doentes e fará com que adoeça a nossa família. O Amor adoecerá.

     Quando o amor na família está doente é necessário uma medida cirúrgica. É urgente liberar o perdão.

     A palavra grega traduzida como “Perdoar” significa literalmente cancelar ou remir.

     Significa a liberação ou cancelamento de uma dívida, de uma obrigação.

     A Bíblia fala da história incrível, verdadeira e do grande ensino para nós.

     Jacó tinha doze filhos, dois deles eram preferidos, pois eram filhos da mulher amada (Raquel) ou filhos de sua velhice (Gn. 30.22-24; 37.3).

“Então Deus lembrou de Raquel. Ele ouviu a sua oração e fez com que ela pudesse ter filhos. Ela engravidou e deu à luz um filho. Então disse: Deus não deixou que eu continuasse envergonhada por não ter filhos. Que o Senhor Deus me dê mais um filho. Por isso ela pôs o nome de José.”

“Jacó era velho quando José nasceu e por isso ele o amava mais do que a todos os seus outros filhos. Jacó mandou fazer para José uma túnica longa, de mangas compridas.”

     Jacó ao dar uma roupa especial a seu filho José, o que mostrava seu amor por ele, provocou a ira, a inveja, o ciúmes dos seus irmãos sobre ele.

     José tinha apenas 17 anos, quando foi vendido, fria e cruelmente, por seus irmãos, como escravo.

     Passou de filho amado a escravo. Participava das atividades de seu pai. Agora tinha que trabalhar de sol a sol.

     Perdeu as regalias de filho amado e tornou-se servo.

     Ao trabalhar na casa do Gel. Potifar, outro desastre em sua vida: temente a Deus, ele rejeita as investidas sexuais da esposa do seu chefe: o Gel. Potifar.

     Acusado de assédio sexual, José vai parar na prisão. Lá permaneceu aproximadamente 2 anos (Gn. 41.1).

“Dois anos se passaram. Um dia o rei do Egito sonhou que estava de pé na beira do rio Nilo.”

     . Sofreu maus tratos e trabalhou muito. Mas, Deus não se esqueceu dele. Como sempre, Deus estava no controle.

     O Faraó teve um sonho que nenhum advinho pôde interpretar. Os ex-colegas de José, na prisão, falaram em seu favor.

     Ao interpretar os sonhos do Faraó, foi exaltado, chegando a uma posição de poder abaixo apenas do próprio Faraó.

     Sua função: responsável por todo alimento disponível no Egito.

     Os irmãos de José vieram comprar alimento. Uma hora certa para vingança.

     A Palavra de Deus nos relata que José experimentou seus irmãos, tendo visto o arrependimento deles, recebeu-os com lágrimasafeto e perdão (Gn. 45.1-15)

1- José não conseguiu mais controlar a sua emoção diante dos seus empregados, de modo que gritou: saiam todos daqui! Por isso nenhum dos empregados estava ali quando José contou aos irmãos quem ele era.

2- Ele começou a chorar tão alto, que os egípcios ouviram, e a notícia chegou até o palácio do rei.

3- José disse aos irmãos: Eu sou José. O meu pai ainda está vivo? Quando os irmãos ouviram isso, ficaram tão assustados, que não puderam responder nada.

4- E José disse: Cheguem mais perto de mim, por favor. Eles chegaram, e ele continuou: Eu sou o seu irmão José, aquele que vocês venderam a fim de ser trazido para o Egito.

5- Agora não fiquem tristes nem aborrecidos com vocês mesmos por terem me vendido a fim de ser trazido para cá. Foi para salvar vidas que Deus me enviou na frente de vocês.

6- Já houve dois anos de fome no mundo, e ainda haverá mais cinco anos em que ninguém vai preparar a terra, nem colher.

7- Deus me enviou na frente de vocês a fim de que ele, de um modo maravilhoso, salvasse a vida de vocês aqui neste país e garantisse que teriam descendentes.

8- Portanto, não foram vocês que me mandaram para cá, mas foi Deus. Ele me pôs como o mais alto Ministro do rei. Eu tomo conta do palácio dele e sou o governador de todo o Egito.

9- Agora voltem depressa para casa e digam ao meu pai que o seu filho José manda lhe dizer o seguinte: “Deus me fez governador de todo o Egito. Venha me ver logo; não demore.

10- O Senhor morará na região de Gosém e assim ficará perto de mim – o senhor, os seus filhos, os seus netos, as suas ovelhas, as suas cabras, o seu gado e tudo o que é seu.

11- A fome ainda vai durar mais cinco anos, e em Gosém eu darei mantimentos ao senhor, à sua família e aos seus animais. Assim não lhes faltará nada.”

12- José continuou: todos vocês e Benjamim, o meu irmão, podem ver que sou eu mesmo, José, quem está falando.

13- Contem ao meu pai como sou poderoso aqui no Egito, contem tudo o que têm visto. Vão depressa e tragam o meu pai para cá.

14- José abraçou o seu irmão Benjamim e começou a chorar. E, abraçado com José, Benjamim também chorou.

15- Então, ainda chorando, José abraçou e beijou cada um dos seus irmãos. Depois disso os irmãos começaram a falar com ele.

Gn. 45.2,3,4,5,14,15

Ele começou a chorar tão alto, que os egípcios ouviram, e a notícia chegou até o palácio do rei. José disse aos irmãos: Eu sou José. O meu pai ainda está vivo? Quando os irmãos ouviram isso, ficaram tão assustados, que não puderam responder nada. E José disse: Cheguem mais perto de mim, por favor. Eles chegaram, e ele continuou: Eu sou o seu irmão José, aquele que vocês venderam a fim de ser trazido para o Egito. Agora não fiquem tristes nem aborrecidos com vocês mesmos por terem me vendido a fim de ser trazido para cá. Foi para salvar vidas que Deus me enviou na frente de vocês. José abraçou o seu irmão Benjamim e começou a chorar. E, abraçado com José, Benjamim também chorou. Então, ainda chorando, José abraçou e beijou cada um dos seus irmãos. Depois disso os irmãos começaram a falar com ele.

     Não foi fácil para José. Anos de afastamento da família, sofrimento, dor, humilhação. Pessoas íntimas foram as que mais colaboraram para sua aflição. José não considerou nada disso: O Perdão reinou em seu coração.

     Jesus ensinou: “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai Celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso pai Celeste tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas”

(Mt. 6.14,15).

. Uma família nunca será lugar de comunhão se a mágoa, o ressentimento, o espírito armado, a ofensa não forem perdoadas. Precisamos agir em duas direções:

     1º – É imperioso abrirmos a porta do coração e jogar fora o lixo das lembranças de dor e de amargura.

     É deixar de continuar rotulando aquele (a) que nos feriu, e alimentar o ressentimento e a dor.

     2º - É necessário que voltemos a ser um instrumento de bênção. Precisamos resistir e não desistir de sermos instrumento de bênção. Deus quer a cada um de nós como Ministros da Reconciliação.

     O Amor não guarda mágoas ensina a Palavra de Deus. Quando Deus, na pessoa de Jesus, veio a esse mundo os homens estavam perdidos e havia muitas ofensas e pecados contra Deus.

     Mas Ele provou seu amor ao enviar seu Filho para o perdão dos nossos pecados.

     Pelo pecado nos afastamos de Deus, e o Amor nos constrangeu a voltar para Ele.

     Esse é o caminho que Deus quer que percorramos no relacionamento familiar.

     O Caminho do Perdão.

     O perdão é o esquecimento completo e absoluto das ofensas, vem do coração, é sincero, generoso e não fere o Amor próprio do ofensor.

     O perdão não impõe condições humilhantes, tampouco é motivado por orgulho ou ostentação.

     O verdadeiro perdão se reconhece pelos atos e não pelas palavras.

     Ex. a parábola do Filho Pródigo

                A Atitude do Pai

 

 

CONCLUSÃO:

 

     . O perdão é libertador – liberta quem perdoa e quem é perdoado.

     . O perdão promove felicidade

     . O perdão remove a amargura do coração

     . O perdão traz reconciliação.

 

Salmo 23.5,6:

“Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos; unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda. Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias.” 

O Perdão concede Bênção no Relacionamento Familiar.

     Quando Deus, com seu Poder, entra na nossa vida, ele pode fazer um banquete de comunhão mesmo que as pessoas que considerávamos inimigas estejam sentadas conosco.

     A Graça de Deus faz vínculos novos. Amém

 

Pr. João Roberto Raymundo