Atividades Regulares

 Domingo

8h – Reunião de Oração

9h – E. B. D (Escola Bíblica Dominical)

10h30 – Culto Matinal

19h – Culto Noturno

 Terça-feira

19h30 – Culto de Oração

 Quinta-feira

19h30 – Estudos Bíblicos

 Sábados ímpares

19h30 – Culto da Juventude

 Sábados pares

20h – Encontro dos casais

Login

Quem está Online

Temos 64 visitantes e Um membro online

LIÇÕES DE UMA IGREJA CONTAGIANTE

LIÇÕES DE UMA IGREJA CONTAGIANTE

 

Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos. (At 2:46-47)

Quanto mais leio os relatos acerca da igreja primitiva, notória pela influência exercida naquela sociedade e pelo poder de atrair pessoas, mais fascinado e constrangido fico. Fascinado por saber que o povo movido pelo Espírito de Deus é capaz de transformar radicalmente o ambiente que o cerca. Constrangido por entender que a Igreja contemporânea se distancia dos princípios norteadores dos primeiros cristãos.

Estou convicto que cada membro da PIBCN almeja ser parte de uma igreja local contagiante, relevante à sociedade, com impacto profundo na vida das pessoas. Que na busca da realização deste santo propósito, atentemos diligentemente para três preciosos ensinamentos extraídos do texto acima e apresentados aqui de forma resumida.

Primeiramente, Lucas informa que a comunidade cristã do primeiro século desenvolvia o hábito de reunir-se diariamente, tanto no templo, quanto em suas casas. Participar das reuniões de adoração e compartilhar a fé diariamente não lhes era pesado, pelo contrário, faziam isso com grande alegria e singeleza de coração.

Em segundo lugar, o texto relata que os discípulos de Jesus estavam sempre juntos, partilhando do pão. Nada de partidarismo, nada de vanglória, nada de egoísmo. A comunhão era a ambição maior daqueles discípulos.

Finalmente, tudo o que faziam era para o louvor e glória de Deus. O cristão do primeiro século não definia louvor como entoação de cânticos religiosos, mas como um estilo de vida cujas palavras, pensamentos e ações glorificam ao Senhor de suas vidas. Por isto, a igreja caía na graça de todos e Deus tinha liberdade para agir.

Se verdadeiramente queremos atrair pessoas para Cristo, incluindo familiares, amigos, vizinhos e até desconhecidos, certifiquemo-nos que elas não serão impressionadas por múltiplas programações, por mais atrativas que sejam. Elas serão tocadas e atraídas por vidas transformadas pelo poder de Deus, por uma igreja comprometida, inflamada, contagiada pelo Espírito Santo de Deus, que reflete a glória do Senhor.

Que o Senhor da Igreja nos abençoe.

 

No Amor de Cristo,

Pr. Evaldo Palhares