Fé Desprendida e Missões

Fé Desprendida e Missões

“Pois  todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más.” (2º Coríntios 5.10)

     Moisés recusou-se ser chamado filho da filha de Faraó. Preferiu ser maltratado junto com seu povo (Hebreus 11.24-25). A fé desprendida de Moisés lhe garantiu um lugar na galeria dos heróis da fé do capítulo 11 de Hebreus.

     A fé desprendida é, talvez, a maior prova de entrega a Deus e confiança nele. O crente, que desenvolve a fé com desprendimento, confia que Deus é suficientemente poderoso para cuidar da sua vida. Confia que Deus não precisa da ajuda de ninguém, nem de nós mesmos, para nos sustentar.

     Sabemos que Deus age de forma diferente na vida de cada pessoa. Mas, seria isso desculpa para uma vida arraigada às coisas terrenas? Não estaria faltando uma visão mais apurada do eterno? Não estariam nossas prioridades na contramão da vontade de Deus?

     Não seria o acúmulo de bens terrenos um desvirtuamento da mordomia divina? Quando o Senhor Jesus Cristo disse para que não ajuntássemos tesouros na terra (Lucas 12.34), foi alertando para duas coisas:

          1. Os tesouros terrenos são passageiros e não nos dão segurança nenhuma.

          2. O perigo de colocarmos nossa confiança, o nosso coração neles.

     A cobiça impede que sejamos liberais, levando-nos a querer mais e mais. Ela ilude a alma do homem a ponto de dizer: “Você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se”

(Lucas 12.19 b).

     Quantos crentes deixam testamento para que seus bens fiquem para a obra missionária? Pensa-se mais no futuro dos filhos e muito pouco nas almas que morrem sem salvação. Creio que Deus se agrada daqueles que deixam, depois de morrerem, seus bens para a obra missionária. Mas creio também que Deus se agrada muito mais daqueles que, em vida, fazem doações.

     Cuidado! O nosso estilo de vida mostra o tamanho da nossa visão do reino de Deus.

     Ninguém leva nada deste mundo. Levaremos daqui a responsabilidade de prestar conta a Deus de tudo que fizemos e da forma como administramos tudo o que Ele nos deu.

     

Pr. Antonio Mendes