Cinco Provas Simples da Ressurreição de Cristo

“Cinco Provas Simples da Ressurreição de Cristo”

“E, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro, de manhã cedo, ao nascer do sol, e diziam umas às outras: quem nos revolverá a pedra do sepulcro? E, olhando, viram que já a pedra estava revolvida; e era ela muito grande. E, entrando, no sepulcro, viram um jovem assentado a direita, vestido de uma roupa comprida e branca; e ficaram espantadas. Porém ele disse-lhes: não vos assusteis; buscais a Jesus, o nazareno, que foi crucificado; já ressuscitou, não está aqui; eis aqui o lugar onde o puseram.”

 (Marcos 16. 2-6)

     1) o corpo dele, depois da ressurreição, era diferente. Não precisava de portas para entrar numa sala. Mesmo conservando suas características físicas, seu corpo não se limitava ao espaço e ao tempo. Se Jesus apenas dormiu profundamente, ao acordar não poderia se apresentar a discípulos escondidos a portas trancadas.

     2) A coragem dos discípulos. Na crucificação, todos fugiram, apavorados a ponto de negá-lo diante de serviçais. Após a ressurreição, enfrentaram perseguições e até morte pelo nome do Mestre! Eram ousados.

     3) A transformação de vidas. No decorrer dos tempos, milhões de pessoas são transformadas e salvas ao ouvir o Evangelho de Cristo. Há mais de dois mil anos, isso acontece todo dia. Uma mentira não teria esse poder.

     4) As aparições de Jesus. Centenas de pessoas o viram após a ressurreição. Há registros de pelo menos 12 aparições de Jesus. Talvez a mais marcante seja a que veio para o apóstolo Paulo, no caminho de Damasco (At. 9). Esse encontro norteou a vida do apóstolo até o fim. Paulo, o doutor da lei, o judeu, o fariseu, só tinha um assunto diante das autoridades judaicas e gentílicas: o seu encontro com o Cristo ressuscitado. Será que ele estava enganado? Será que todos os que viram Jesus Cristo ressuscitado estavam equivocados?

     5) O túmulo de Jesus foi encontrado vazio. Os inimigos dele não poderiam ter escondido o corpo, pois isso reforçaria a idéia da ressurreição e seria uma derrota para eles. Os discípulos, coitados!, não teriam condições, devido à pedra selada na sepultura e à guarda romana. E jamais poderiam formar uma doutrina tão forte e poderosa, capaz de transformar vidas, inclusive a deles, baseados numa farsa.

     Neste domingo, o primeiro da semana, o da Ressurreição de Jesus Cristo, temos a oportunidade de refletir sobre o valor que temos dado ao dia do Senhor, o da sua vitória sobre a morte.

     O ativismo, o secularismo e a filosofia humanista que priorizam a satisfação da carne, do eu, precisam ser evitados para que na vida do crente em Jesus, prevaleça a nova criatura, prevaleça os valores e mandamentos de Jesus. Que a Ressurreição de Jesus, seja uma realidade em cada um de nós. Amém.

 

Adaptado

Pr. João Roberto Raymundo